segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Cogumelos - Um Périplo pelo Minho

Olá Amigos!

Faz tanto tempo que não escrevo aqui, não por falta de vontade ou tema, mas por condicionantes do dia-a-dia. Mas agora as coisas estão um pouco mais calmas e cá vai um post sobre a primeira incursão cogumeleira da temporada.

Comecei por um Pinhal Dunar perto de Viana. Um lugar já muito visitado por mim. Mas para já, apenas As Macrolepiotas procera estavam cá fora com força. No entanto, são habitats onde já vi muitas espécies interessantes. Vou continuar a passar por lá, claro.

Macrolepiota procera num pinhal dunar perto de Viana do Castelo. Adoro este cogumelo, com o seu chapéu fofo e enorme, lâminas grandes brancas e frágeis, anel móvel e pé com um padrão como a pele de uma serpente.

A seguir, foi a um ponto mais alto, a outro pinhal, um pouco mais para o interior, no vale do Minho, perto de Espanha. Área cogumeleira por natureza. Valeu o passeio, mas os meninos estão ainda sossegados debaixo do solo. Só estes falsos cantarelos deram um ar da sua graça.

Parecidos com os Cantharellus cibarius, mas estes têm lâminas vez de pregas que terminam muito mais acima no pé. A margem do chapéu também não é enrolada.

Então rumei a Paredes de Coura.
Apesar de se confirmar que a época ainda está atrasada (talvez tenha chovido pouco), aqui sim já comecei a ver mais variedades: bonitas Amanitas muscaria, Leccinuns, muitos Paxillus involutus que outrora foram considerados comestíveis e hoje sabe-se que o organismo não consegue eliminar as suas toxinas podendo ser mortais a prazo, um ou outro Boleto muito pequeno. Mais umas semanas, se o tempo ajudar e a coisa promete...

Aqui gostei particularmente de fotografar um cogumelo, frágil, violeta pálido, de pé fino e chapéu cónico, que crescia no galho caído mas ainda verde.

Amanita muscaria. A lagarta da Alice, já cá tinha andado...

Paxillus involutus e o falso cantarelo novamente. Ambos nada comestíveis e crescendo perto um do outro.

Leccinum
Mais um Leccinum. O seu pé com granulos negros e ásperos, fazem-me suspeitar que seja um scrabum

Boletus, muito pequenino. Quem sabe venha a dar um erythropus...

O tal que crescia no ramo verde de um pinheiro

E no fim do dia, umas Macrolepiotas lá foram prá sertã...

Foi muito bom voltar a caminhar um dia inteiro à volta dos cogumelos. Eles estão aí de novo!

Vou tentar escrever ao Aromâncias com mais regularidade.


Até breve!

Manel







8 comentários:

  1. Confesso que já estava com saudades!
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  2. Que maravilha! Que saudades de Paredes de Coura e dos cogumelos... esses que estão na sertã, dourados e suculentos, são de fazer água na boca :P Parabéns pelo blog!

    ResponderEliminar
  3. Óptimas fotos!

    ResponderEliminar
  4. Olá, Manel. Apesar de tudo (e de tão pouco, afinal) saudades dessa ida ao Courel. Voltei lá mais 2 vezes, uma delas antes da Páscoa de 2010, com neve na Fonte da Rogueira e umas orquídeas a espreitar a minha Nikon. Quero voltar lá esta primavera para mais fotos de plantas. Abraço.
    Carlos Venade

    ResponderEliminar
  5. Hola Manel, gosto de tue blog.. e giro.. tem que estar muito boas...

    tem sorte...

    Um saudo.. e ate breve..

    o meu portugues nao é muito bom.

    ResponderEliminar
  6. Viva!
    A chuva que tem caído, já fez despontar novamente os cogumelos. Confesso que me vejo tentada a colher alguns e a degustá-los, mas não arrisco.
    Até novas reportagens das suas deambulações.

    ResponderEliminar
  7. Olá,Manel!
    Que surpresa adorável encontrar este teu blog tão encantador,que fala justamente de um assunto que gosto tanto: O maravilhoso reino dos cogumelos!
    Sou bióloga de formação e de coração, e embora nunca tenha feito uma especialização sobre o assunto, os cogumelos sempre foram seres super interessantes pra mim, que me trazem emoções de puro encantamento...Tão misteriosos e de formas,texturas e cores tão diferentes e exóticas! Com certeza,eles têm um apelo místico curioso, e nos lembram sempre os mais belos contos de fada... Simplesmente figuras apaixonantes! E isso sem falar no aspecto gastronômico delicioso...(Rs...)
    Aqui no Brasil também temos uma variedade imensa deles, que muitas vezes passam despercebidos nos cantinhos de quintal,próximos às árvores ou no interior de matas úmidas e fechadas...Um mundo misterioso ainda por descobrir! Mas infelizmente nos falta ainda a tradição de descobri-los ou mesmo de sonhar com eles...Uma pena!
    Em maio deste ano, estivemos aí em Portugal,próximo à região do Minho,numa viagem ao passado,em busca das raízes portuguesas de minha família materna,pois minha avó era nascida na região linda de Serra da Estrela. Contudo foi uma viagem pequena e nem tivemos a oportunidade de descobrir os segredos dos cogumelos portugueses...Quem sabe numa outra vez?
    Também tenho um blog,onde falo sobre o nosso cotidiano em meio à nossa paixâo pela natureza...E os cogumelos às vezes aparecem por lá (os verdadeiros e os de fantasia que enfeitam o nosso jardim) emprestando a sua magia e doce encanto à correria de nosso urbano cotidiano...
    Parabéns pelo teu genuíno blog e desejo-te muito sucesso,com muitos maravilhosos cogumelos pelo caminho!
    Meu abraço brasileiro pra ti!!!
    Teresa
    (do blog "Se essa lua fosse minha")

    ResponderEliminar